INVESTIR EM PORTUGAL

(function(i,s,o,g,r,a,m){i[‘GoogleAnalyticsObject’]=r;i[r]=i[r]||function(){
(i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o),
m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m)
})(window,document,’script’,’https://www.google-analytics.com/analytics.js’,’ga’);

ga(‘create’, ‘UA-98469099-2’, ‘auto’);
ga(‘send’, ‘pageview’);

[ad name=”cabeçalho”]

Informo a maior parte (ou todas?) das aplicações financeiras em Portugal.

DEPÓSITOS A PRAZO: muito comum o dinheiro e juro estão garantidos, mas em 2017 espere taxas na ordem de 1% bruto.

CERTIFICADOS DE AFORRO: é a maneira mais fácil de investir em dívida pública do governo português, paga juros trimestrais, também na ordem de menos de 1%, e investe nos correios CTT de 100 em 100€. Existe outra modalidade os CERTIFICADOS DE TESOURO POUPANÇA MAIS CTPM, que subscreve de 1000 em 1000€ no prazo máximo de 5 anos, com uma taxa de juro superior que pode chegar aos 3% brutos no 5º ano.

OBRIGAÇÕES DO TESOURO: tal como nos certificados de aforro representam dívida pública, mas é preciso aceder aos mercados de capitais, e estar atento quando são emitidas pelo governo.

OBRIGAÇÕES DE EMPRESAS: em vez de ser divida do governo, as empresas emitem obrigações para se financiarem.

AÇÕES: Representam o valor de uma sociedade e podem distribuir dividendos, ou então serem jogadas pela oscilação do preço. Atenção ao risco inerente!

FUNDOS DE INVESTIMENTO: Sociedades gestoras recebem o dinheiro dos participantes e investem de acordo com a política do fundo. São aplicações financeiras interessantes.

               ETF ou exchange trade funds fundos que permitem replicar uma bolsa de valores, com custos de manutenção mais baixos.

               Fundos especiais de investimento: fuja deles, geralmente dão mau resultado.

OURO: pode achar que guardar ouro é investimento, mas é muito volátil. Aplicações com ouro oscilam de acordo com a oferta e procura no mercado, é o investimento mais arriscado.

Agora mais especificamente outras opções financeiras:

SEGUROS DE CAPITALIZAÇÃO: as seguradoras podem ter uma componente financeira, e propõem para clientes conservadores uma taxa de juro baixa para as suas poupanças, em prazos alargados de vários anos chegando até aos 8 anos o investimento.

PLANOS DE POUPANÇA REFORMA – PPR: pode ter um rendimento extra na sua reforma, mas são de baixa rentabilidade. São comercializados por bancos e seguradoras, e foram criados nos anos 80, dada a insustentabilidade da Segurança Social: pois quem trabalha a vida inteira irá receber uma reforma inferior ao salário auferido.

PRODUTOS FINANCEIROS COMPLEXOS: ou produtos estruturados, não opte por esta via, o juro está dependente de um cabaz de ações (ou outro) e não está garantido, por vezes nem o capital está garantido.

 

IMOBILIÁRIO: pode investir diretamente a comprar casa, ou por fundo de investimento imobiliário. Cada um tem opinião sobre imóveis, e as famílias endividam-se para comprar, depois para vender é difícil transformar em liquidez, e a rentabilidade anual é baixa. Os fundos geralmente têm taxas de subscrição e resgate de 2% a 5%.

[ad name=”retângulo grande”]

antoniopereira

leave a comment

Create Account



Log In Your Account